Com 136 mortes, Petrópolis divulga alerta sobre fake news

0

Prefeito pede à população que se informe por canais oficiais

Vinícius Lisboa – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

A disseminação de notícias falsas relacionadas aos impactos das chuvas preocupa as autoridades municipais de Petrópolis. A situação foi motivo de um alerta feito nesta tarde (18) pelo prefeito Rubens Bomtempo.

“Está cheio de fake news. Gente que não tem consideração com as pessoas, que não ama Petrópolis. Estão criando factóides. Vieram falar agora que tinha se rompido uma grande adutora, que a cidade ia ficar inundada. Isso não existe”, disse ele.

Ontem (17), relatos de desabamento de uma igreja no centro da cidade e de rolamento de uma rocha na comunidade 24 de maio chegaram a circular pelo Whatsapp. Nos dois casos, se tratava de fake news.

Diante dessa situação, a prefeitura divulgou uma nota orientando os moradores a buscar informações em fontes seguras. Segundo o texto, os canais oficiais da Prefeitura e veículos de imprensa confiáveis são os locais mais adequados para a população se manter atualizada.

“Petrópolis possui jornais, canais de televisão e rádios já tradicionais, assim como páginas na internet e nas redes sociais que fazem um jornalismo sério. Por causa das chuvas de terça-feira, veículos de imprensa nacionais também estão na cidade nesta semana. Então, são muitos veículos confiáveis, e a população deve sempre buscar se informar por eles, assim como pelas redes sociais da Prefeitura. É preciso sempre tomar cuidado com as informações que chegam pela Whatsapp”, disse o coordenador de comunicação social da prefeitura, Philippe Fernandes.

Óbitos

As chuvas de terça-feira (15) foram, segundo o governo do Rio de Janeiro, a pior já registrada na cidade desde 1932. Até o momento, foram confirmadas 136 mortes. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil municipal vêm atuando nas buscas e na evacuação das áreas de risco.

Imagens de drone das áreas de deslizamento de encosta em Petrópolis, em decorrência das fortes chuvas que atingiram a região serrana do Rio de Janeiro
Imagens de drone das áreas de deslizamento de encosta em Petrópolis – TV Brasil

Há preocupação com novos deslizamentos, diante da previsão de mais chuva no final de semana. Moradores receberam mensagem de celular enviada pela Defesa Civil municipal alertando para a possibilidade de chuva moderada a forte.

Outra preocupação envolve a transmissão de doenças. A Secretaria de Saúde orienta as pessoas que tiveram contato com água da enchente ou que tiveram lesões de pele a ficarem atentas para possíveis sintomas.

Pessoas que não estão em dia com o calendário de vacinação, devem procurar um dos oito postos de saúde dedicados à atualização do esquema de doses do imunizante antitetânico. Essa vacina exige um reforço a cada dez anos.

É preciso também atenção para a possibilidade de ocorrência de outras enfermidades como leptospirose, doenças diarreicas agudas e hepatite A. No entanto, até o momento, não houve notificação de casos.

Reforço

Bairro Castelânea em Petrópolis, após fortes chuvas que atingiram a região Serrana do Rio
Mais de 140 veículos que obstruíam vias da cidade foram removidos – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os trabalhos na cidade avançam. Segundo a prefeitura informou mais cedo, mais de 140 carros que foram arrastados pelas chuvas e estavam espalhados pela cidade foram retirados de ruas e de rios.

Muitos deles estavam obstruindo vias e mesmo dificultando a movimentação das pessoas, já que foram parar nas calçadas. O governo estadual, por meio da Secretaria de Infraestrutura e Obras, estima já ter recolhido mais de 15 mil toneladas de resíduos como entulhos, lama, barro, vegetação e veículos.

Para auxiliar nas buscas, bombeiros de outros estados do país estão sendo enviados como reforço. Já são aproximadamente 80 militares que se somam ao contingente de mais de 500 da corporação fluminense.

Eles são provenientes de 14 estados: São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O reforço envolve ainda 36 cães farejadores.

Com a experiência de atuação em grandes tragédias nos últimos anos envolvendo barragens de mineração em Mariana (MG) e Brumadinho (MG), o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais informou hoje (18) o envio de 14 militares especialistas em resgates em estruturas colapsadas. Dois cães que em 2019 atuaram nas buscas em Brumadinho também foram levados, além de equipamentos tecnológicos.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here