PM e professora indígena exigiam R$ 150 mil para acabar com invasões

0

-Para demonstrar liderança sobre índios que cercam sítios, sargento da PM e líder indígena suspenderam ataques no fim de semana-

O sargento da Polícia Militar Waldison Candido Francisco, 46, e a professora indígena Dirce Cavalheiro Veron, 45, presos ontem (21) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, exigiam pagamento de R$ 150 mil para acabar com as ameaças de invasões a sítios localizados nos arredores da Aldeia Bororó, região oeste do município.

Segundo notícia divulgada pelo site Campo Grande News, através da Sucursal de Dourados, há um ano as propriedades estão cercadas por índios que moram na reserva de Dourados e desaldeados, vindos de outras regiões de Mato Grosso do Sul. Se não pagassem o dinheiro, que seria, segundo os autores do crime, dividido entre as lideranças da “retomada”, os sitiantes não iriam mais dormir porque “a coisa ia ficar feia”.

Importante líder dos povos indígenas de Mato Grosso do Sul, Dirce é filha do cacique Marcos Veron, morto em 2003 em confronto com funcionários de uma fazenda em Juti.

Em 2003, então estudante de direito e já atuante em defesa da causa indígena, ela fez parte do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, nomeada pelo então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

O PM também é de origem indígena e mora na Aldeia Jaguapiru, em Dourados. Em 2016, ele foi candidato a vereador pelo DEM, mas teve apenas 295 votos e ficou longe de se eleger.

Sargento da PM chega à delegacia conduzido por policiais da Corregedoria (Foto: Adilson Domingos)
Sargento da PM chega à delegacia conduzido por policiais da Corregedoria (Foto: Adilson Domingos)

Prometeram trégua – Conforme o delegado Rodolfo Daltro, do SIG (Setor de Investigações Gerais), o primeiro contato de Dirce Veron e do sargento Waldison com os sitiantes ocorreu semana passada, alguns dias depois dos intensos confrontos entre os índios e seguranças dos sitiantes, no feriado do dia 12 de outubro.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here