Rússia descarta cessar-fogo, e soldados da Ucrânia falam em ‘batalha final’ em Mariupol

0

Os russos também pressionam Mariupol, ponto estratégico para os interesses do Kremlin, na tentativa de estabelecer controle sobre a cidade

São Paulo, SP – Folha Press

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, disse nesta segunda-feira (11) que Moscou não vai interromper sua “operação militar” -o eufemismo que o Kremlin usa para se referir à guerra- antes da próxima rodada de negociações com a Ucrânia.

Até agora, os encontros entre as delegações de negociadores de Moscou e Kiev mostraram-se pouco produtivos. Houve rodadas na Belarus, ditadura aliada de Vladimir Putin, e na Turquia, onde o presidente Recep Tayyip Erdogan tenta se colocar como um mediador do conflito, mas nenhuma das reuniões chegou a avanços significativos para encerrar o conflito.

Forças da Ucrânia repeliram vários ataques da Rússia no leste do país, de acordo com o relatório da inteligência do Reino Unido, enquanto o presidente Volodimir Zelenski repetiu que milhares de soldados de Moscou estão se reunindo para uma nova ofensiva na região.

As forças russas também seguem pressionando Mariupol, ponto estratégico para os interesses do Kremlin, na tentativa de estabelecer controle total sobre a cidade, alvo de ataques constantes desde o início da guerra e palco da mais grave crise humanitária do conflito.

“Há dezenas de milhares de mortos, mas mesmo assim os russos não estão parando sua ofensiva”, disse Zelenski durante discurso ao Parlamento da Coreia do Sul. A precisão da estimativa do presidente não pôde ser confirmada.

A 36ª Brigada de Fuzileiros Navais, um braço do Exército da Ucrânia, por meio de uma publicação no Facebook, disse nesta segunda que está se preparando para a “batalha final” em Mariupol.

“Hoje provavelmente será a batalha final, pois nossas munições estão acabando. Isso significa morte para alguns de nós e cativeiro para outros”, escreveu a brigada. “Estamos desaparecendo pouco a pouco.”

Segundo a publicação, quase metade dos soldados ucranianos na cidade portuária está ferida. A unidade diz estar lutando há mais de um mês “sem munição, sem comida, sem água, fazendo o possível e o impossível”.

“O inimigo nos fez recuar pouco a pouco, nos cercou e agora tenta nos destruir”, diz a brigada, acrescentando críticas por falta de apoio “do comando do Exército e do presidente”.

Também nesta segunda, o chanceler da Áustria, Karl Nehammer, deve se encontrar com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. A Áustria não tem um papel determinante no conflito com a Ucrânia, mas o encontro será o primeiro entre o russo e um líder europeu desde o início do conflito, em 24 de fevereiro.

“Somos militarmente neutros, mas temos uma posição clara sobre a guerra de agressão russa contra a Ucrânia. Ela tem que parar! Precisamos de corredores humanitários, cessar-fogo e uma investigação completa de crimes de guerra”, escreveu Nehammer em uma publicação no Twitter.

Em seu discurso diário aos ucranianos, Zelenski voltou a fazer alertas sobre a possível intensificação de ataques russos no leste do país -corroborado pelo Reino Unido, que registrou bombardeios nas províncias de Donetsk e Lugansk.

“Tropas russas vão se mover para operações ainda maiores no leste do nosso Estado. Elas podem usar ainda mais mísseis contra nós, ainda mais bombas. Mas nós estamos nos preparando para as ações deles.

Nós vamos responder”, disse o ucraniano, reiterando aos parlamentares sul-coreanos o pedido de mais ajuda militar para enfrentar a Rússia.

 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here